Os fatos sobre a segurança do pó de talco

Os fatos sobre a
segurança do pó de talco


O que é o pó de talco?

O pó de talco é a forma em pó refinado do mineral mais mole que existe na Terra: o talco. O talco é um ingrediente “inerte”, ou seja, não gera nenhuma reação química ao ser ingerido ou aplicado na pele. As pessoas tiram proveito de sua maciez, segurança e absorvência desde os tempos do Egito Antigo.1

Pó de talco

De onde vem o nosso talco?

O talco é obtido em depósitos rochosos em todo o planeta, por processos de mineração, como ocorre com outros minerais. Nosso talco para bebês utiliza somente talco de grau farmacêutico.

Como é fabricado o pó de talco?

Uma vez retirado da terra, o talco é parcialmente esmagado, separado e, então, é atribuído um grau ao mineral obtido. O minério de talco que atende aos nossos padrões é moído até atingir o estado de pó, testado quanto ao tamanho das partículas e verificado se atende aos requisitos de pureza da Johnson & Johnson.

O talco é seguro

Segurança do talco – Etapa 1

1O talco é usado há séculos.

Trata-se do mineral mais mole que existe na Terra, usado para uma ampla variedade de aplicações desde os tempos do Egito Antigo.2

Segurança do talco – Etapa 2

2O talco é mais comum do que se pensa.

Ele está presente nos alimentos que consumimos, incluindo chiclete, arroz, azeite de oliva e muitos produtos que usamos todos os dias (como maquiagem, sabão e desodorante antitranspirante.)1,2,3

Segurança do talco – Etapa 3

3O talco é seguro.

Pesquisas, evidências clínicas e quase 40 anos de estudos realizados por pesquisadores médicos independentes no mundo todo continuam respaldando a segurança do talco.

Segurança do talco – Etapa 4

4O talco tem sido estudado por autoridades independentes em todo o mundo.

Órgãos governamentais e não governamentais, como a FDA (Agência de Controle de Alimentos e Medicamentos dos EUA) e o Painel de Especialistas em Análise de Ingredientes Cosméticos, investigaram o potencial nocivo do talco e concluíram que o talco é seguro.

Segurança do talco – Etapa 5

5O talco não causa câncer.

O Conselho Editorial de Consulta a Dados de Médicos do Instituto Nacional do Câncer dos EUA concluiu que o peso das evidências não respalda nenhuma associação entre a exposição do períneo ao talco e o aumento do risco de câncer de ovário.

Décadas de segurança

Continuamos usando talco em nossos produtos, pois décadas de pesquisa científica reafirmaram sua segurança. A sua confiança nos produtos da linha Johnson’s Baby e a sua disposição de usá-los todos os dias é uma imensa responsabilidade para nós. É por isso que só trabalhamos com ingredientes considerados seguros de acordo com as mais recentes pesquisas científicas.

Pesquisas, evidências clínicas e quase 40 anos de estudos realizados por pesquisadores médicos independentes do mundo todo continuam respaldando a segurança do talco cosmético. Autoridades de saúde de todo o mundo analisaram os dados sobre o talco, e ele é amplamente utilizado em nível global.

Apesar do longo histórico de uso seguro do talco em produtos de consumo, algumas autoridades questionaram se o uso do pó de talco pode aumentar o risco de uma pessoa desenvolver câncer. Recentemente, foi questionado se o talco usado em produtos de consumo está contaminado com amianto. As pesquisas científicas não sustentam nenhuma alegação de que nossos produtos de talco causem câncer.

Nós levamos muito a sério todo questionamento sobre a segurança dos nossos produtos e, por isso, mergulhamos fundo nas evidências sobre o talco.

Milhares de testes confirmaram repetidamente que os nossos produtos de consumo com talco não contêm amianto. Nosso talco vem de fontes que confirmadamente atendem às mais rigorosas especificações. Nós e nossos fornecedores não só testamos nosso talco rotineiramente para garantir que não contenha amianto, como o submetemos a testes e confirmações de laboratórios independentes e universidades para assegurar ausência total de amianto, incluindo a FDA (Agência de Controle de Alimentos e Medicamentos dos EUA), a Harvard School of Public Health e o Mount Sinai Hospital.

Ação judicial contra a Johnson

É provável que você tenha lido notícias sobre ações judiciais alegando que o Johnson’s Baby Talco pode causar câncer de ovário ou mesotelioma.

A Johnson só usa talco puro de grau farmacêutico. Testamos todos os lotes para garantir isso. Mas você não precisa acreditar na nossa palavra. Confira os fatos e chegue às suas próprias conclusões.

Saiba mais

Conheça os fatos científicos

Estudos sobre talco e câncer de ovário

Estudo de Saúde dos Enfermeiros

O NHS (Estudo de Saúde dos Enfermeiros, Nurses’ Health Study) é o maior estudo de saúde da mulher já realizado. Esse estudo de coorte financiado pelo governo dos EUA pesquisou os fatores de risco das principais doenças crônicas em mulheres desde 1976. Entre muitas outras descobertas, a pesquisa do NHS contribuiu para demonstrar a associação entre o fumo e doenças cardíacas em mulheres e levou ao desenvolvimento de terapias hormonais para o tratamento de câncer de mama.

A parte do estudo NHS com uso de talco incluiu 78.630 mulheres que receberam acompanhamento por até 24 anos, no total.4,5 Perguntou-se a essas mulheres se elas alguma vez usaram pó de talco na região genital ou em absorventes higiênicos. Cerca de 40% das mulheres responderam afirmativamente e foram incluídas no grupo de usuárias de talco.4,5

Os dados do estudo não mostraram nenhum aumento na prevalência geral de câncer de ovário entre as usuárias de talco, independentemente da frequência de uso de talco. Não houve diferença entre a prevalência de câncer de ovário entre as mulheres que usavam pó de talco diretamente no corpo ou em produtos de higiene.4,5

Estudo de 24 anos
com 78.630 mulheres
31.789 usavam talco

Não mostrou
nenhum aumento geral

no risco de câncer de ovário

Estudo de saúde das enfermeiras

Estudo Iniciativa de Saúde da Mulher

A WHI (Iniciativa de Saúde da Mulher, Women’s Health Initiative) foi criada pelos U.S. National Institutes of Health em 1991 para estudar a saúde de mulheres na pós-menopausa. Entre as diversas questões que esse estudo de coorte investigou, estão a associação entre terapia hormonal e câncer de mama e os efeitos da dieta sobre o câncer e doenças cardíacas. A parte sobre uso de talco da WHI incluiu 61.576 mulheres, 53% das quais afirmaram ter usado pó de talco nos genitais, absorventes higiênicos ou diafragmas, algumas delas por mais de 20 anos. Nesse estudo, as mulheres receberam acompanhamento de 1993 a 2012.

Os dados do estudo não mostraram nenhum aumento no risco para câncer de ovário em mulheres que usaram pó de talco. Também não houve aumento de risco entre as mulheres que usaram o pó por períodos mais longos.6

Estudo de 12 anos
com 61.576 mulheres
32.219 usavam talco

Não mostrou
nenhum aumento geral

no risco de câncer de ovário

Estudo Iniciativa de Saúde da Mulher

Sister Study

O Sister Study, realizado de 2003 a 2009 com o apoio dos National Institutes of Health e National Institute of Environmental Health Sciences, foi um marco nas pesquisas que buscam as causas do câncer de mama. O estudo também incluiu uma análise entre participantes para investigar associações entre o uso de talco, ducha vaginal e câncer de ovário.

O estudo incluiu 41.654 mulheres nos Estados Unidos e Porto Rico, de 35 a 74 anos de idade e que tivessem uma irmã ou meia-irmã diagnosticada com câncer de mama e perguntaram-lhe sobre uso de talco durante os 12 meses anteriores. Ao longo do estudo, não foi encontrada nenhuma associação entre o uso de talco no períneo e o diagnóstico subsequente de câncer de ovário.7 Embora o hábito de ducha vaginal tenha sido mais comum entre usuárias de talco, constatou-se no Sister Study que a ducha vaginal, mas não o talco, estavam associadas com aumento do risco de câncer de ovário.7

Estudo de 6 anos
com 41.654 mulheres
5.735 usavam talco

Não mostrou
nenhum aumento geral

no risco de câncer de ovário

Sister Study

Outros estudos

Não se encontra associação estatística entre câncer de ovário e usuárias de pó de talco em estudos prospectivos de grande porte, embora alguns, mas não todos, estudos de caso-controle de fato indiquem uma leve associação estatística. Estudos de caso-controle são estudos nos quais são feitas perguntas sobre possíveis fatores de risco diferentes a grupos de pessoas com histórico de uma doença específica. Esses fatores de risco podem incluir o uso de certos produtos no passado. Uma possível razão para alguns terem encontrado leves associações estatísticas é uma possível superestimação da verdadeira associação devido a um “viés de memória”. O viés de memória se dá quando pessoas com uma doença são mais propensas a superestimar sua exposição a fatores de risco do que pessoas sem essa doença. Nesses estudos, mulheres cientes de ter câncer de ovário vão se esforçar muito para se lembrar de qualquer coisa que possa ser importante para explicar como elas desenvolveram essa terrível doença, o que pode criar artificialmente a impressão de que mulheres com câncer usaram mais pó de talco.8

Estudos de talco e mesotelioma

O mesotelioma é uma forma rara de câncer, subdividido em vários tipos. A exposição a amianto está associada a certos tipos de mesotelioma. O amianto é um mineral que ocorre naturalmente e é encontrado no meio ambiente, e pequenas quantidades de suas fibras estão em toda parte – no ar que respiramos, na água potável, no solo e em alguns alimentos.

Não há estudos científicos sólidos que indiquem que a inalação de talco cosmético cause mesotelioma.

Estudos com mineradores e moleiros

Estudos com milhares de pessoas que são expostas a talco todos os dias — em seu trabalho nos setores de mineração e moagem de pó de talco — demonstram que nenhuma delas desenvolveu mesotelioma. Em 1976, cientistas iniciaram um estudo com mineradores e moleiros em uma mina de talco na Itália utilizada pela Johnson & Johnson. Esse estudo comparou esses trabalhadores empregados entre 1921 e 1950 com uma população da cidade próxima de Alba, na Itália. O estudo não encontrou nenhum caso de mesotelioma.

Em 1979, os cientistas atualizaram o estudo, usando novos dados estatísticos, e compararam os mineradores e moleiros que trabalharam de 1946 a 1974 com dados da população italiana em geral. Mais uma vez, não foi encontrado nenhum caso de mesotelioma entre mineradores e moleiros. O estudo voltou a ser atualizado em 2003 e, depois, em 2017, e continuou a demonstrar que nenhum dos mineradores e moleiros desenvolveu mesotelioma.

Estudos semelhantes com mineradores e moleiros foram realizados em outras operações de mineração de talco cosmético. Um estudo com mineradores e moleiros de Vermont realizados pela NIOSH e pela OSHA concluiu que nenhum dos mineradores e moleiros desenvolveu mesotelioma. Estudos com mineradores e moleiros que trabalharam em depósitos de talco na Noruega, Áustria e França também demonstram que nenhum trabalhador do segmento de talco desenvolveu mesotelioma.

1.992 mineradores
e moleiros

expostos a talco diariamente
estudados durante 38  anos

0 caso de
mesotelioma encontrado

Estudos com mineradores e moleiros

O talco é usadopara reduzir o acúmulo de líquidos
nos pulmões

Um procedimento médico chamado pleurodese ajuda os pulmões a aderir à parede do tórax para manter inflados os pulmões colapsados ou evitar que líquidos se acumulem em torno do pulmão.

Em alguns casos, injeta-se talco diretamente no revestimento dos pulmões para impedir o acúmulo de líquidos. Relatos em larga escala de pacientes mostram que, entre centenas de pacientes submetidos a esse procedimento ao longo de dezenas de anos, não houve nenhum caso de mesotelioma.

Mais
de
 300  pacientes
estudados durante
14 a 40 anos

0 caso de
mesotelioma encontrado

Referências

  1. Industrial Minerals Association. “What is Talc.”
    http://www.ima-na.org/?page=what_is_talc
  2. EARTH magazine. Mineral Resource of the Month.
    http://www.earthmagazine.org/article/mineral-resource-month-talc
  3. Geology.com. Talc: The Softest Mineral.
    http://geology.com/minerals/talc.shtml
  4. Gertig, Prospective Study of Talc Use and Ovarian Cancer, Journal of the National Cancer Institute, Nurses Health Study.
    http://jnci.oxfordjournals.org/content/92/3/249.full
  5. Gates, Risk Factors for Epithelial Ovarian Cancer by Histologic Subtype, American Journal of Epidemiology.
    http://aje.oxfordjournals.org/content/171/1/45.full
  6. Houghton, Perineal Powder Use and Risk of Ovarian Cancer, Journal of the National Cancer Institute, Women’s Health Initiative.
    http://jnci.oxfordjournals.org/content/106/9/dju208.full
  7. Gonzalez, Douching, Talc Use and Risk of Ovarian Cancer, Epidemiology.
    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27327020
  8. Cancer.org. Talcum Powder and Cancer.
    http://www.cancer.org/cancer/cancercauses/othercarcinogens/athome/talcum-powder-and-cancer
Voltar ao início
Powered by Translations.com GlobalLink OneLink Software